segunda-feira, julho 30, 2012

Hoje acordei meio... O que você deixará para o mundo?

Hoje acordei meio... O que você deixará para o mundo?

# Bom dia a você ser mortal, que independente de cor, sexo, idade ou condição financeira, sabe que seus dias estão contados, bom dia a você que desde o momento que nasce já sabe que seu fim um dia chegará, e muito bom dia a você, que após adquirir um pouco de conhecimentos, passa a entender literalmente o significado da palavra “finitude”... Bom dia a você que diferentemente do Oscar Niemeyer, do Paulo Sant'Ana ou da gracinha da Hebe Camargo não é imortal, e tendo em vista a sua breve estada neste planeta passou a se questionar: O que você tem feito para o mundo? Qual o legado que você deixará quando se for? Como os outros lembrarão de você? Se é que lembrarão... O que você tem feito de bacana além de atualizar seu status em redes sociais, além de encher a cara no final de semana e dançar até o amanhecer? O que você tem feito de excitante além de transar de luz acesa ou pegar na mão quando as luzes do cinema se apagam? O que você tem feito de divertido além de rir de vídeos engraçados compartilhados no Youtube ou de ficar parado no topo da roda gigante quando o dia se vai... O que você tem feito de diferente além de mudar a cor do cabelo ou de experimentar uma nova marca de margarina? E os seus desejos? Os mais secretos? O que você tem feito para que eles se tornem reais? Esta energia guardada dentro de você é o que move o mundo, é o fogo que você não pode deixar se apagar que faz com que o sol brilhe diariamente, é a gana, a vontade a força que fazem com que tudo funcione, são seus sonhos que impulsionam a vida! Faça! Mude! Haja! Esqueça o que os outros pensam o que é errado? Errado é não ser feliz! Viva, deixe tudo pra traz e reconstrua novamente, faça valer cada momento do dia, cada momento da sua vida, cante, dance, sorria, ame, ame, ame... Deixe pra trás o que lhe faz mal, delete os falsos amigos, deslembre as palavras maldosas, não conviva com quem não lhe quer bem, este é o livre arbítrio, a condição que nós humanos temos para decidir, decidir pelo que nos faz bem, pelo que nos engrandece, pelo que não precisará ser omitido da nossa história... Esta é a nossa vida, esta é a nossa história, escrita, estrelada e dirigida por nós! Vivamos intensamente para ter histórias para contar, façamos muitas amizades para ter para quem contar, celebremos todos os dias, o fato de estarmos vivos, de termos amigos, de termos saúde, de sermos amigos, celebremos esta nossa vida, cada momento dela, sem arrependimentos, sem mágoas, sem medos... #

sexta-feira, julho 27, 2012

Hoje acordei meio... Coisas que fazemos todos os dias

Hoje acordei meio...
 Coisas que fazemos todos os dias

# Bom dia a você que todos os dias acorda quando o despertador lhe avisa que é impossível dormir mais, bom dia a você que todos os dias após ser “despertada” (diferentemente de uma Cinderela) se dirige ao banheiro, escova os dentes, lava o rosto e se prepara para encarar mais um dia... Bom dia a você que todos os dias abre as janelas de casa ao sair e as fecha ao retornar, a você que todos os dias calça um par de sapatos para sair a rua e os retira assim que pisa de volta em casa... Bom dia a você que todos os dias produz lixo, a você que todos os dias necessita de algo, a você que todos os dias lê no jornal uma notícia de algum político que será investigado por desvio de dinheiro, a você que todos os dias lê sobre mortes no trânsito, e a você que todos os dias ainda se emociona com as crianças sem lar jogadas pelas calçadas... Bom dia a você que diariamente se irrita com uma coisa à toa e a você que ri por uma bobagem qualquer... Bom dia a você que to-dos os dias abre seu e-mail, a você que sente frio, fome e sede, a você que todos os dias lava as mãos e a você que inevitavelmente no final da noite se entrega deliciosamente aos braços de Morfeu... Todos os dias oscilamos entre o amor e o ódio, entre a satisfação e a fome, flertamos entre a luz no fim do túnel e a desorientação total... Todos os dias nós temos a certeza de algo, e minutos depois já não há temos mais, todos os dias construímos nossos castelos e todos os dias o vento insiste em derrubá-los... Todos os dias acreditamos piamente em algo e todos os dias já não cremos em mais nada... Todos os dias achamos que não iremos conseguir e por fim rimos faceiros das nossas conquistas, todos os dias nos achamos desimportantes e todos os dias há mensagens de amigos nas redes sociais com saudades dos tempos em que tínhamos mais tempo um para o outro... Todos os dias nos bate um deprê, todos os dias nos esbaldamos em algum doce delicioso e  nos arrependemos profundamente após comê-lo... Todos os dias saímos cedo com pouca roupa e reclamamos do frio, todos os dias saímos com um roupa mais quente e reclamamos do calor, todos os dias ouvimos música e cantamos junto, bebemos água, trancamos a porta, penteamos o cabelo, retiramos a maquiagem, nos vestimos,nos despimos, agradecemos por algo, sentimos falta de algo, lutamos por algo... Todos os dias sorrimos para alguém, todos os dias ignoramos alguém, todos os dias sentimos muito, todos os dias não estamos nem aí, todos os dias temos um minuto zen e todos os dias temos um momento Rocky Balboa... Todos os dias, todos os minutos, todos os momentos, eu começo, eu paro, eu faço e desfaço, eu contínuo e eu acabo, e tudo o que faço hoje, fiz ontem e amanhã farei de novo... Chato? Cansativo? Exaustivo? Não, não sei, talvez... Importa? Saber uma resposta, ou melhor, ter uma resposta mudará sua rotina amanhã? Hum? #

quarta-feira, julho 25, 2012

Hoje acordei meio... A paixão e aquele beijo

Hoje acordei meio... A paixão e aquele beijo

# Bom dia a você Julietinha do Sr. Romeu, bom dia a você Tchuchuca do Sr. Tigrão e muito bom dia a você, Jane do Sr. Tarzan... Bom dia a você que por algum motivo – alheio a sua vontade – foi flechado pelo cupido, derrubado pelo tigre do amor, fuzilado pela metralhadora da paixão, nééééssaaaa... Sim amiguinho que anda esfuziante e com uma cútis pra lá de ótima ultimamente, wow, você, eu disse, você, anda in Love, doidão de amor, escrevendo poesias em guardanapos de papel, contando os minutos para reencontrar sua amada amante... E é neste momento fatídico que se vai a razão, tudo vira emoção, um não é um terremoto, uma olhada para o lado, um tsunami, um sexo rápido, um desastre... A paixão pega feito cachaça no quentão e só cura depois de outra ressaca ainda maior, a paixão é fogo que arde e queima, é o espinho do peixe que passa rasgando a garganta... A paixão é um pirata cego, é um leão preso, é uma pulga sem um cão... A paixão nos mata aos poucos, arrebata nosso coração, nos faz ter aquela maravilhosa sensação de incerteza, do bater mais forte o coração, da perna trêmula, das mãos suadas e por fim, daquele beijo, sabe “aquele” beijo? Que se for o último que você der em toda a sua existência não tem problema nenhum, pois este foi “o beijo”, quente, úmido, as bocas se encaixam perfeitamente, você sente a alma do outro neste beijo, sente inteiramente o outro somente com estes lábios que se tocam, e você só pede que o mundo pare neste instante e que este beijo perdure pela eternidade... Este é o beijo! E quando já não há mais fôlego, quando a saliva seca na boca, quando você e ele já são quase um só ser, quando a adrenalina e a epinefrina esgotam toda a sensação de prazer que um ser humano possa sentir, vocês param ao poucos, libertam suas bocas, e então é a vez de seus olhos se encontrarem... Depois do ósculo o olhar... E seus olhares se cruzam, e se penetram fixamente... Você não olha ele, você olha dentro dele, e sente uma alegria infinita, uma vontade de ficar ali, fitando aquele ser, sentindo o calor que emana de seu corpo, o cheiro que exala de sua pele, o toque das mãos dele nas suas costas... Você deita sua cabeça no ombro dele, e aqueles braços antes trêmulos, agora lhe abraçam com força, como se você tivesse asas e pudesse fugir a qualquer instante... A paixão é o beijo que não quer findar, os olhos que não param de fitar, e o abraço que não cansa de abraçar, a paixão é tão linda e tão dolorosa, que para que nós meros humanos sobrevivamos a ela, é melhor que ela continue sendo assim, intensa, inconstante, arrebatadora e efêmera... #

segunda-feira, julho 23, 2012

Hoje acordei meio... O amor do mundo

Hoje acordei meio... O amor do mundo

# Bom dia a você amigo, que por algum motivo foi escolhido pela cegonha a nascer, crescer e viver em determinada família... Bom dia a você que por fazer parte desta família, aprende a amar – e odiar – seus parentes, compreende seus ataques bipolares, suas manias e falta de modos à mesa... Bom dia a você que já se acostumou com cada um dos malucos da sua linhagem e já não se espanta mais com as atitudes e as particularidades de cada um... Não, pelo contrário, você os ama, incondicionalmente, afinal de contas eles são sangue do seu sangue, sua gente, cuidaram de você por toda a sua vida, lhe amaram quando você se borrou nas fraldas e sequer tinha dentes na boca, lhe amaram quando você tomou porre na festa de fim de ano e vomitou na mesa da ceia, lhe amaram quando você virou punk, quando você se tatuou e até quando se rebelou contra o mundo... Sua família, seu amor, mesmo sangue, sua gente, você lutaria por eles e eles por você... Sempre! Mas, e aquele amor que surge do nada? Estamos atravessando a rua, ou sentamos em um restaurante e aparece ele... Aquele cara que você nunca havia visto na vida, aliás, você nem reparou nele, mas ele reparou em você, e por algum motivo esta troca de olhares mexe com você... Por algum motivo a rua ou a comida já não importam tanto, você quer olhar para ele, mas com certo receio, mas com certa discrição... Há mais pessoas em volta, ele pode ser casado, ter namorada, pode até achar que você só quer se safar de ter de pagar a conta, quem sabe o que passa na cabeça destes homens? Mas a troca de olhares se intensifica e você vai ao banheiro e um olhar lhe persegue até a entrada, depois na saída, e ao fechar a conta e ao pagar a conta e a noite se vai... Você pensa nele, sonha com ele, imagina ele e quer vê-lo novamente... Vocês se encontram... E o olhar novamente se cruza... Vocês conversam, e suas bocas se tocam... Você pensa: Como? Por quê? O que me faz despertar uma vontade de ver mais uma vez alguém que sequer conheço? Como confiar em um sentimento que surge tão de repente? Por que esta sensação boa e ao mesmo tempo amedrontadora? Este sentimento bonito e cândido e ao mesmo tempo tão fútil? Será que compartilhamos um pedacinho daqueles que amamos? Será que o pó das estrelas que se dividiu quando formou o nosso universo pode estar na composição daquele outros a quem sentimos algo mais forte? Não é tão estranha a sensação de querer possuir alguém, de querer ter esta outra pessoa tão perto de nós a ponto de nos fundirmos? Não é estranha a sensação de que já conhecíamos aquela pessoa? De querer cortar suas asas para que ela nunca fuja do nosso lado? E por que algumas pessoas ficam em nossa mente, em nossas vidas, em nossos sonhos? Mesmo distantes, mesmo intocáveis, mesmo que nossos corpos estejam a milhares de quilômetros de distância, há algo que parece fazer com que nossas almas se toquem e se confortem... Não há explicação para a complexidade dos seres que somos, nem tampouco para a complexidade desta coisa chamada amor, mas é certo que este é um dos sentimentos essenciais a nossa sobrevivência, é certo que sem amor eu nada seria, é só o amor... É só o amor... #

sexta-feira, julho 13, 2012

Hoje acordei meio... O melhor amigo do mundo


Hoje acordei meio... O melhor amigo do mundo

# Bom dia a você coisinhameiga, que nunca se sentchiu sozinho neste mundão de meuldeuzo... Bom dia a você que sempre contou com a parceria da gurizada para os bons e maus momentos, e muito boa dia a você que seja na alegria ou na tristeza, tem sempre um ombro amigo para lhe apoiar... Bom dia a você que é feliz pelo simples fatos de ter amigos, sim a-mi-gos, aquele pessoalzinho que não tá sempre lhe dando nota dez em tudo o que você faz nem tampouco aplaudindo cada atitude sua... Heinnnn? Como assim? Amigo? É... Assim, sim! Amigo não é aquele que ri de todas as suas piadas, amigo é aquele cara que te olha bem sério no meio das fuças, depois de tu ter contado aquele piada escrota, e te diz: Mó sem graça meu! Yeah! Saiba que este cara é teu amigo! Por quê? Por que ele tá te dando a real, por que não tá puxando teu saco, por que se ele não achou graça ele não vai rir, por que ele não te, medo de perder tua amizade sendo sincero, este é o cara! Amigo não é aquele que te segue em todas as loucuras, nããã, amigo deixa tu fazer tuas loucuras e fica de olho, se tu te fuuu, ele vai lá e te salva, é malandro, ele não te segue em todas as loucuras por que se tu precisar de ajuda, ele tá La nego véi! Ihaaa! Amigo não é aquele que te escuta o tempo todo, amigo é aquele que opina sobre tuas opiniões, é aquele que discorda, que se mete, que diz que não tá certo, e que também fala, orelha de amigo não é penico meu Rei! Amigo ouve quando tá a fim de ouvir, e amigo de verdade tem culhão pra dizer: Bah meu véi, hoje não to afim! Simples assim! Um amigo nunca vai matar o morrer por você, dããã... Se você tem este “sangue suicida” correndo nas veais, azar é seu! O amigo de verdade vai ficar bem vivo e cuidar dos que você deixou pra trás, ahãn, morrer com você, tá de brincadeira né? Amigo é aquele que impede que a ressaca aconteça e que te apresenta para as pessoas certas? WTF? Nãããoo, tudo errado! Amigo é aquele que te leva para tomar os maiores porres da tua vida, e vocês fazem cagadas homéricas juntos e amizades para lá de erradas... Siiimm, amigo é aquele cara que depois de feita esta merda toda, passa a mão no teu ombro e diz: Cagamos né, mas tava divertido! É isso que se leva da vida, é isso que nos faz ter histórias para contar, não exijamos demais dos nossos amigos, eles são crianças como nós, precisando de um pouco de atenção, precisando de uma caixa de doces, eternamente esperando um afago... #

quarta-feira, julho 11, 2012

Hoje acordei meio... Onde você estava ontem à noite?


Hoje acordei meio...   
Onde você estava ontem à noite?

# Bom dia a você amiguinhom, que lá por meados dos anos 90 curtchiu adoidado a sua juventê... Bom dia a você que encarou os perigos de uma vida de beijos na boca, drugs e roquenrola sem maiores esforços, bom dia a você que não froxou em meio a um diálogo com hippies e nem tampouco deixou de fazer looongas viagens mesmo sem ter adquirido a passagem... Bom dia a você que mentiu para seu papis e sua mamis que ia dormir na casa de amigos para fazer trabalhos escolares (daquela escola, lembra? Aquela na qual você foi matriculado, mas não sabia sequer o seu número na chamada, aliás, você mal sabia onde se situava a sua sala de aula...), mas na verdade você, seu safadjenho, saía pelas noites pegando carona com desconhecidos, bebendo em copos alheios e beijando móitooo, ain que diliça... Bom dia a você que para não deixar pistas para seus pais sobre suas noites longas (e em um ímpeto adolescentesco de anotar cada passo que se dava – err... naquela época não existia facebook nem twitter), você resolveu escrever na última folha do caderno de química os caras que dividiram um beck com você na pracinha da Redença, nos malucos fim de noite da Osvaldo Aranha, ainquélocóram... Você – Santchenhadopauoco - escrevia sua lista, aquela que aumentava a cada semana, citando o nome do cidadão que trocava uns míseros beijos com você (tám e umas pegadas no popot também, vá lá, mas não passava djesto, nã nã...) e uns pegas naquele cigarritcho feito de seda e erva verde, woooowww... Mas como seria muito cara de pau sua escrever na última folha do caderno de quimiquê esta safadeza, você colocava ao lado do nome do gatom: Fomos para o barro (uma alusão à pracinha que você usava com seus amégos para dar aquela pitada – e que ficava puro barro depois de um dia de chuva)... Tudo belê né amigom, era só pra você se lembrar das parcerias e tales... But, o cadernê de quimiquê foi parar nas mãos do seu papis, ain fu-deu! E não foram as dezenas de nomes de caras na última folha que lhe causaram transtornos, não foi a folha de seda entre as folhas pautadas, nem tampouco o odor da “selva” que havia nos seus pertences, nããã... O que chocou, o que lhe deixou de castigo por um tempo – e consequentemente sem os copos alheios, as pitadas no cigarrinho do capeta e os beijos na boca – foi o “barro”, siiimm, o “barro”... Para seu papis, ir no barro significava “dei o rabo”, éé, isso ele não podia aceitar, pourra você só tinha 15 anitchos, tinha que ser virgem pô! Então seu pai pergunta: - O que é isso? Ir para o barro? Você cala... Ele insiste, você cala... Ele pergunta quem ia com você, você cala... Ele pergunta se tem algo a ver com séquisso, você novamente se cala, e mesmo não tendo acontecido nada do que seu pai pensa, você sai queimada da situação... Nem seus dedos amarelados entregam o que seria o tal de “barro”... Então améguénhos, um conselho da titis: Falem sempre a verdade! Até hoje me pergunto se realmente teria ficado tanto tempo de castigo se quando papis perguntasse:
 - O que é ir para o barro? 
Eu respondesse: 
- É fumar um, Daddy!!! Só! Unzinho... #

segunda-feira, julho 09, 2012

Hoje acordei meio... A palavra dita é como o tiro dado


Hoje acordei meio...   
A palavra dita é como o tiro dado

# Bom dia a você pessoa, que em u momento de ira, tomado me estado colérico, perdendo totalmente a razão foi lá: E despejou setecentos quilos de xingamentos e bobagens em cima de um único ser... Bom dia a você que um momento de desequilíbrio, em um momento de cabeça quente, cego de raiva, xingou não só a mãe do juiz, mas o próprio juiz, a esposo do juiz, a filha do juiz e te o cachorro do juiz... Bom dia a você que já mandou a PQP, a merda, tomar lá, e para outros lugares mais distantes ainda... Bom dia a você que reavaliando seu ataque raivoso, reavaliando sua total perda de sanidade, seu furor inexplicável, chega a uma conclusão: Eu não deveria ter feito isto! Pois é amigo... Mas já está feito! A palavra dita é como o tiro dado, ela é invisível aos olhos, invisível ao toque, mas machuca... Deixa cicatriz... E é difícil de apagar... A palavra dita, por mais dura que seja, fica armazenada em algum cantinho obscuro da nossa mente, esperando o momento certo para ser evidenciada novamente... A palavra dita é diferente da palavra escrita... A palavra dita não pode ser apagada, não pode ser corrigida, não pode ser rasurada... A palavra dita não pode ser extraviada, não pode ser picotada, não pode ser amassada... A palavra dita – e quanto mais pesada ela seja, fica soando em nossa mente, como um sino, como um relógio que deserta de tempos em tempos, nos relembrando a cada momento... A palavra dita – e “mal dita” – pode destruir nações, devastar famílias, abalar relacionamentos, afundar carreiras... A palavra “mal dita” pode afundar uma vida, afundar sonhos, afundar desejos, e arrancar desejos... É difícil segurar a língua, ainda mais quando estamos acuados, quando somos atingidos, quando atingem os que amamos... É difícil segurar a língua quando somos humilhados, quando somos o palhaço, quando temos razão... É difícil remediar uma situação depois de soltar a língua, é difícil reconstruir um prédio depois que ele é derrubado... Pese os prós e contras... Conte até dez, até dez mil, mas não dispare tiros com a sua boca, suas palavras podem agredir violentamente, e violentamente você pode ser agredido também... Só os sábios silenciam... #

sexta-feira, julho 06, 2012

Hoje acordei meio... O alho que impregna a alma



Hoje acordei meio...  O alho que impregna a alma

# Bom dia a você galo véi, bom dia a você chinoca e bom dia a você gurizote! Bom dia a você que na ânsia de comer algo realmente saboroso, naquela vontade louca de ingerir algo delicioso e apetitoso foi lá e tascou um alho no pão antes do churras da domingueira... Mas bagual que você é, pensa: Um dente de alho não mata vampiro! Então, a preparação do pãozinho conta com uma cabeça inteira do mais saboroso alhão, hummm, que marrravélha! E já que você está nesta de alho: Coloca? Não coloca? Vou beijar alguém depois? Vai dar “bafo”? Sai com uma boa escovada? Você pensa: O que é um peido ném? Então vai... vai alho no coraçãozinho, alho na coxénha do frangote, alho na salada de batata, alho na salada verde, alho até na picanha... Agora foi... E pior, fica um diliça! Manjar dos Deuses! Você come o banquete de-ses-pe-ra-do, como se fosse a última refeição de sua vida, e dá-lhe pão com alho, dá-lhe salada, dá-lhe coraçãozénho, coxénha, Peçanha, come tipo bicho! E a domingueira se vai... Você chega cansadão, escova a dentadura e nem aguenta assistir o Fantástico, adormece feito um baby, de fralda limpa e barriga cheia... Até que antes do despertador lhe derrubar da cama, algo toma conta de você... Algo inexplicável, algo forte, intenso, que lhe tira o sono... Um azedume que vem de dentro do seu ser, um enigmático odor amargo que não vêm de sua boca, de seu esôfago ou estômago, vêm das profundezas de sua alma, é um baforalho que toma conta de seu ser, você está inteiramente impregnado por este terrível e inesgotável bafo de alho! E não há escovação, gargarejo, chá de boldo, saponáceo, esfregão de aço, nada lhe tira este gosto nojento da boca, você está num amargor que chega a dor dó... E você nota que não só você sente este odor ligeiramente fétido, não, seus colegas de trabalho evitam conversar com você, o namoradis já não lhe assedia mais, as amigas já não compartilham mais o batom, e você se sente só, tão só como uma cabeça de alho... Então você assume que está sendo abduzida por este odor, o alho já faz parte de você, vocês são um só ser interligados pelo azedo hálito que você exala... E não há nada que você possa fazer, o alho é quem decide quando deixará você seguir com sua vida, o alho decide quando lhe deixar... Até sua vida voltar ao normal... Até o próximo churras... Até a irrecusável oferta de abocanhar um delicioso pão com alho... #

quarta-feira, julho 04, 2012

Hoje acordei meio... É por isto que eu bebo



Hoje acordei meio...  É por isto que eu bebo

# Bom dia a você amigo pinguço, bom dia a você que é chegado numa cana, num me, numa birita... Muito bom dia a você amigão bebaço, borracho, alcoólatra, enfinz, chegado num goró... Bom dia a você que quando está triste, chateadão mesmo, sem sentido para viver, bebe, e bebe mesmo, bebe para afogar suas mágoas, bebe para esquecer, bebe para sair fora de si um pouco – ou muito... Bom dia a você que bebe quando está alegre, e bebe mesmo, enche a cara com o melhor “scotche” que a casa tem a oferecer! Você beberica para dar continuidade a sua felicidade, para prolongar sua alegria, para rir e ser feliz, e então é uma viradeira só de copos, diliça! Bem, você também bebe para comemorar algo que deu certo, um aniversário, uma formatura, o fim de um ciclo, uma promoção de trabalho, um emprego novo... Mããns se você brigou com o namorado, se perdeu o emprego, se não conseguiu se formar, nem tampouco foi promovido, você bebe, ah se bebe, e bebe móito, se afoga no trago, entra na garrafa, entorna o combustível precioso da sua alegria – ou derrota – goela abaixo, e no final do engradado já nem se lembra mais por que estava bebendo, êê maravilha! Culturalmente bebemos, bebemos para confraternizarmos, bebemos quando estamos odiados, bebemos quando ganhamos algo, bebemos quando perdemos, bebemos na felicidade e na tristeza, na saúde e na doença, no frio e no calor, com ou sem companhia, em belas taças ou em copos plásticos, uísques envelhecidos por décadas ou a mais barata ceva que nossa falta de grana possa comprar... Bebemos para lembrar e para esquecer, bebemos socialmente e até passar do ponto – Hein? Eu fiz isto? Somos beberrões por natureza, curtimos um drink para abrir o apetite, um drink para a janta, um drink para a sobremesa, café com um toque especial de algo alcoólico, e por aí vai... E qual o problema? Nenhum! Eu bebo, e bebo mesmo! A bebida me aproxima dos meus amigos, me faz esquecer quando estou deprimida, me faz lembrar quando estou saudosista, me esquenta quando estou com frio e me refresca no calor... É por isto que eu bebo, e é bom, ô se é... #